A primeira vez que fui convidado a ir a Israel com o Prof. Luiz Sayão para as gravações do Rota 66, devo admitir que fiquei um pouco apreensivo. Imagine eu indo num país tão perigoso quanto Israel. Ao chegar naquele país, meus medos se foram e comecei a entender a situação das coisas que acontecem por lá. Hoje já estive em Israel três vezes, e posso afirmar que me sinto mais seguro lá do que no Brasil. Israel têm um homicídio a cada quatro dias (no país todo), nos EUA são 50 homicídios por dia e no Brasil são 150.

Quanto mais começava a aventura, mais sentia que meus pré conceitos iam embora. Como pode um lugar tão explorado negativamente pela mídia, ser tão diferente, bonito e tranquilo!! Isso sem contar a riqueza histórica e arqueológica. Israel possui mais de 30.000 sítios arqueológicos, e cada momento outros são descobertos. A cidade mais antiga do mundo, Jericó, se localiza nesse país. Em Megido, por exemplo, podemos encontrar ruínas de cerca de 25 cidades, de 4.000 A.C. a 400 A.C.. A riqueza arquitetônica pode ser vista desde templos da época bizantina, com seus mosaicos impecáveis, passando por construções influenciadas pelo Bauhaus até suas edificações modernas como o museu do holocausto e o museu de Israel. Há muita história para se registrar, seja em foto ou vídeo.

” E se eu quiser registrar a natureza” – você me pergunta – “Israel não deve ser o local mais recomendado!”. Aí que está o engano! Pelo que vemos na mídia, imaginamos Israel como um país seco, sem natureza, completamente desértico, mas isso não procede. Israel localiza-se no Sudoeste da Ásia entre o Mediterrâneo e os desertos da Síria e da Arábia Saudita. As fronteiras geográficas do País são conformadas a oeste pelo Mediterrâneo, a leste pelo Vale do Jordão, as montanhas do Líbano ao Norte e com a Baía de Eilat marcando o extremo sul do País. Embora pequeno em território, a paisagem e o clima de Israel são muito variados. Temos neve, deserto, um mar maravilhoso,o mar Morto, montanhas, vales, muita vegetação, fontes de água lindíssimas em apenas 20.700 km². Para se ter uma noção, o ponto mais baixo do país está a – 417 m do nível do mar, que é o Mar Morto (também considerado o ponto mais baixo da Terra), enquanto o ponto mais alto, o Monte Hermom, localiza-se a 2.224 m acima do nível do mar.  O interessante de Israel é que você pode encontrar diversas paisagens e climas sem se deslocar muito, e a natureza é bem preservada através de belíssimos parques nacionais, que são considerados patrimônios mundiais pela Unesco.

Quando comecei a fotografar e gravar, busquei imagens diferenciadas, pois quando as pessoas pensam em Israel, ou mesmo quando buscamos conteúdo relacionados, o que obtemos são materiais que enfatizam dor, perda, guerra, caos, e não condiz com toda a realidade. O foco de um profissional deve ser sempre tentar ao máximo encontrar um novo caminho, uma nova visão, em meio ao ordinário, ao já conhecido.

Foi incrível começar a explorar esse lado e descobrir que um país tão pequeno pode ser tão rico em cor e paisagens cinematográficas. Aqui fica a dica para todos os profissionais: saiam do básico, explorem tudo que o local tem a te oferecer, independentemente de onde você estiver há sempre um olhar diferente, algo não óbvio para ser registrado. Procurem fotografar ou gravar em horários não comuns, como o nascer ou o por do sol, que podem lhe render imagens e cores únicas.